Como e porquê separar o lixo?

Como e porquê separar o lixo?

Garrafas de vidro: reciclagem infinita


A reciclagem reduz, de forma importante, impacto sobre o meio ambiente: diminui as retiradas de matéria-prima da natureza, gera economia de água e energia e reduz a disposição inadequada do lixo. Além disso, é fonte de renda para os catadores.

Rafaela Ribeiro

A preservação do meio ambiente começa com pequenas atitudes diárias, que fazem toda a diferença. Uma das mais importantes é a reciclagem do lixo. As vantagens da separação do lixo doméstico ficam cada vez mais evidentes. Além de aliviar os lixões e aterros sanitários, chegando até eles apenas os rejeitos (restos de resíduos que não podem ser reaproveitáveis), grande parte dos resíduos sólidos gerados em casa pode ser reaproveitada. A reciclagem economiza recursos naturais e gera renda para os catadores de lixo, parte da população que depende dos resíduos sólidos descartados para sobreviver.

Segundo a última pesquisa Nacional de Saneamento Básico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são recolhidas no Brasil cerca de 180 mil toneladas diárias de resíduos sólidos. O rejeito é resultante de atividades de origem urbana, industrial, de serviços de saúde, rural, especial ou diferenciada. Esses materiais gerados nessas atividades são potencialmente matéria prima e/ou insumos para produção de novos produtos ou fonte de energia.

Mais da metade desses resíduos é jogado, sem qualquer tratamento, em lixões a céu aberto. Com isso, o prejuízo econômico passa dos R$ 8 bilhões anuais. No momento, apenas 18% das cidades brasileiras contam com o serviço de coleta seletiva. Ao separar os resíduos, estão sendo dad os os primeiros passos para sua destinação adequada. Com a separação é possível: a reutilização; a reciclagem; o melhor valor agregado ao material a ser reciclado; as melhores condições de trabalho dos catadores ou classificadores dos materiais recicláveis; a compostagem; menor demanda da natureza; o aumento do tempo de vida dos aterros sanitários e menor impacto ambiental quando da disposição final dos rejeitos.

O que é reciclável?

É reciclável todo o resíduo descartado que constitui interesse de transformação de partes ou o seu todo. Esses materiais poderão retornar à cadeia produtiva para virar o mesmo produto ou produtos diferentes dos originais.
Por exemplo: Folhas e aparas de papel, jornais, revistas, caixas, papelão, PET, recipientes de limpeza, latas de cerveja e refrigerante, canos, esquadrias, arame, todos os produtos eletroeletrônicos e seus componentes, embalagens em geral e outros.

Como separar o lixo doméstico?

Não misture recicláveis com orgânicos – sobras de alimentos, cascas de frutas e legumes. Coloque plásticos, vidros, metais e papéis em sacos separados.

Lave as embalagens do tipo longa vida, latas, garrafas e frascos de vidro e plástico. Seque-os antes de depositar nos coletores.

Papéis devem estar secos. Podem ser dobrados, mas não amassados.

Embrulhe vidros quebrados e outros materiais cortantes em papel grosso (do tipo jornal) ou colocados em uma caixa para evitar acidentes. Garrafas e frascos não devem ser misturados com os vidros planos.

O que não vai para o lixo reciclável?

Papel-carbono, etiqueta adesiva, fita crepe, guardanapos, fotografias, filtro de cigarros, papéis sujos, papéis sanitários, copos de papel. Cabos de panela e tomadas. Clipes, grampos, esponjas de aço, canos. Espelhos, cristais, cerâmicas, porcelana. Pilhas e baterias de celular devem ser devolvidas aos fabricantes ou depositadas em coletores específicos.

E as embalagens mistas: feitas de plástico e metal, metal e vidro e papel e metal?

Nas compras, prefira embalagens mais simples. Mas, se não tiver opção, desmonte-a separando as partes de metal, plástico e vidro e deposite-as nos coletores apropriados. No caso de cartelas de comprimidos, é difícil desgrudar o plástico do papel metalizado, então descarte-as junto com os plásticos. Faça o mesmo com bandejas de isopor, que viram matéria-prima para blocos da construção civil.

Outras dicas:

Papéis: todos os tipos são recicláveis, inclusive caixas do tipo longa-vida e de papelão. Não recicle papel com material orgânico, como caixas de pizza cheias de gordura, pontas de cigarro, fitas adesivas, fotografias, papéis sanitários e papel-carbono.

Plásticos: 90% do lixo produzido no mundo são à base de plástico. Por isso, esse material merece uma atenção especial. Recicle sacos de supermercados, garrafas de refrigerante (pet), tampinhas e até brinquedos quebrados.

Vidros: quando limpos e secos, todos são recicláveis, exceto lâmpadas, cristais, espelhos, vidros de automóveis ou temperados, cerâmica e porcelana.

Metais: além de todos os tipos de latas de alumínio, é possível reciclar tampinhas, pregos e parafusos. Atenção: clipes, grampos, canos e esponjas de aço devem ficar de fora.

Isopor: Ao contrário do que muita gente pensa, o isopor é reciclável. No entanto, esse processo não é economicamente viável. Por isso, é importante usar o isopor de diversas formas e evitar ao máximo o seu desperdício. Quando tiver que jogar fora, coloque na lata de plásticos. Algumas empresas transformam em matéria-prima para blocos de construção civil.

CURIOSIDADES:

  • A reciclagem de uma única lata de alumínio economiza energia suficiente para manter uma TV ligada durante três horas.
  • Cerca de 100 mil pessoas no Brasil vivem exclusivamente de coletar latas de alumínio e recebem em média três salários mínimos mensais, segundo a Associação Brasileira do Alumínio.
  • Uma tonelada de papel reciclado economiza 10mil litros de água e evita o corte de 17 árvores adultas.
  • Cada 100 toneladas de plástico reciclado economizam 1 tonelada de petróleo.
  • Um quilo de vidro quebrado faz 1kg de vidro novo e pode ser infinitamente reciclado.
  • O lacre da latinha não vale mais e não deve ser vendido separadamente. As empresas reciclam a lata com ou sem o lacre. Isso porque o anel é pequeno e pode se perder durante o transporte.
  • Para produzir 1 tonelada de papel é preciso 100 mil litros de água e 5 mil KW de energia. Para produzir a mesma quantidade de papel reciclado, são usados apenas 2 mil litros de água e 50% da energia.
  • Cada 100 toneladas de plástico economizam uma tonelada de petróleo.
  • O vidro pode ser infinitamente reciclado.

fonte:
http://www.mma.gov.br/informma/item/8521-como-e-porqu%C3%AA-separar-o-lixo

Separação do lixo: 8 coisas que você provavelmente não sabe

Separação do lixo: 8 coisas que você provavelmente não sabe

As empresas comprometidas com o desenvolvimento sustentável adotam conceitos como otimização de recursos, redução de desperdício, tecnologia, conhecimento, bom senso e responsabilidade na adoção de boas práticas ambientais.

Dessa forma, a separação do lixo se enquadra nessas práticas com a possibilidade de reutilizar, reciclar, agregar valor ao material reciclado, aumentar o tempo de vida dos aterros sanitários e diminuir o impacto ambiental quanto a disposição final dos rejeitos.

Separar é deixar fora do lixo tudo que pode ser reaproveitado ou reciclado. O chamado “lixo orgânico” que inclui, por exemplo, os restos de alimentos, deve ser destinado para soluções que reaproveitem suas propriedades para criar novos meios de utilizá-los novamente, como a compostagem que os transformam em adubo orgânico

Outros materiais que são considerados reaproveitáveis, como plásticos, vidro e metais, são reintegrados no ciclo industrial. Já os resíduos que não são orgânicos, nem recicláveis – os chamados rejeitos – devem ser encaminhados para destinação final adequada.

Coleta seletiva e reciclagem

Entretanto, de nada adianta separar o lixo se ele não for coletado separadamente. Assim, etapa fundamental pós-separação é a coleta seletiva – processo que recolhe materiais considerados reutilizáveis, previamente separados na fonte geradora, e os encaminha para a reciclagem.

Na reciclagem, ocorre a transformação dos materiais, que teve sua primeira utilidade esgotada, em outro produto, completando o ciclo sustentável.

Essas boas práticas ambientais implantadas pelas empresas geram economia de matérias-primas, água e energia, é menos poluente e alivia os aterros sanitários, além de garantir o estrito cumprimento das leis ambientais e a admiração dos clientes. Afinal, empresas consideradas “ambientalmente responsáveis” são as preferidas na hora de adquirir um bem ou contratar um serviço.

Pontos importantes sobre a separação do lixo

  1. Papéis

Praticamente todos os tipos são recicláveis, inclusive caixas do tipo longa-vida e de papelão, papel laminado, nota fiscal, envelope, jornais e revistas. Porém, precisam estar limpos e secos. Podem ser dobrados ou picados, mas não amassados.

Não são recicláveis: papel celofane, papel plastificado, papel parafinado, papel carbono, papel de fax, fotografias, papel toalha, guardanapo e papéis sanitários.

Lembre-se de que para produzir 1 tonelada de papel é preciso 100 mil litros de água, 5 mil KW de energia e 17 árvores adultas. Já para produzir a mesma quantidade de papel reciclado, são usados apenas 2 mil litros de água e 50% da energia.

  1. Vidros

O vidro pode ser infinitamente reciclado e praticamente todos os tipos são recicláveis, exceto lâmpadas, cristais, espelhos, vidros temperados, louça, cerâmica, porcelana, óculos, pirex e vidros especiais, como tampo de forno e micro-ondas.

É importante saber que 1 Kg de vidro quebrado faz 1 kg de vidro novo – ou seja, ele é 100% reciclável.

  1. Metais

São recicláveis: enlatados, ferragens, arames, chapas, canos, pregos, parafusos, cobre e alumínio. Com curiosidade, uma única lata de alumínio economiza energia suficiente para manter uma TV ligada durante três horas.

Clipes, grampos, esponjas de aço, latas de verniz e latas de produtos tóxicos não são recicláveis.

  1. Plástico

Praticamente todo tipo de plástico é reciclável. Não se recicla: adesivos, acrílico e cabos de panelas.

Saiba que para cada 100 toneladas de plástico reciclado economiza-se 1 tonelada de petróleo.

  1. Isopor

O isopor é reciclável e deve ser colocado no recipiente coletor de plásticos.

Como o processo de reciclagem do isopor não é economicamente viável, é importante usá-lo de diversas formas e evitar ao máximo o seu desperdício. Algumas empresas transformam o isopor em matéria-prima para blocos de construção civil.

  1. Produtos considerados perigosos que nunca devem ir para o lixo
  • Lâmpadas fluorescentes – contêm mercúrio, altamente poluente;
  • Cartuchos e toners;
  • Pilhas e baterias – também contêm mercúrio;
  • Eletrônicos velhos/quebrados – CPUs, monitores, cabos, teclados, estabilizadores, celulares e eletrodomésticos. Podem conter chumbo, bromo, mercúrio e cádmio, metais perigosos.

Esses produtos devem ser devolvidos sempre no local da compra ou em pontos de coleta específico para esse fim.

  1. Lavar ou não lavar os materiais descartados

Para o processo de reciclagem ser realizado, não é necessário lavar nada antes. Porém, é higiênico retirar o excesso de resíduos do recipiente, principalmente se ele ficar armazenado por algum tempo, para não causar mau cheiro ou atrair insetos e roedores.

Leia também: 

  1. Nem todo lixo seco e limpo é reciclável

Nas empresas, muitos materiais de escritório não podem ser reciclados: papel-carbono, etiqueta adesiva, papel de fax, papéis plastificados, fita crepe, fita adesiva, isolante, clipes, grampos e tachinhas.

Outros dejetos também ficam de fora da reciclagem: guardanapos, filtro de cigarros, rolhas, acrílico, papéis sujos, papéis sanitários, copos de papel, esponjas de aço, tomadas, espelhos, cerâmica, porcelana e espuma. 

Reciclar é cuidar do meio ambiente e contribuir para a perpetuação de recursos esgotáveis. Informe-se, desenvolva essa cultura em sua família e compartilhe as informações com conhecidos.

fonte:
https://www.teraambiental.com.br/blog-da-tera-ambiental/separacao-do-lixo-8-coisas-que-voce-provavelmente-nao-sabe

Aprenda como reciclar o lixo da sua casa

Aprenda como reciclar o lixo da sua casa

Aprenda passo-a-passo como separar, organizar e armazenar o lixo para a coleta seletiva

Mesmo com toda vontade e pré-disposição para fazer a separação do lixo para reciclagem, há quem tenha dúvidas de como organizar e armazenar o material até que o caminhão da coleta seletiva passe na residência ou até que sejam encaminhados ao posto de coleta mais próximo. Para ajudar a resolver essa questão o gerente do centro de treinamento da Multicoisas, Nelson Hokama, explica quais são os passos que facilitam a tarefa. 

Saiba mais : Manual de tintas: saiba o que usar na pintura de móveis e paredes

Uma boa saída para reciclar é diminuir o tamanho das garrafas PET e latinhas, amassando-as com as mãos
Getty ImagesUma boa saída para reciclar é diminuir o tamanho das garrafas PET e latinhas, amassando-as com as mãos

1 – Para começar, crie o hábito de, pelo menos, separar resíduos orgânicos dos secos. Utilize de preferência sacos biodegradáveis;

Atenção: ao ir às compras em supermercados, evite usar as sacolas plásticas convencionais, prefira as de naylon, que são reutilizáveis ;

2 – Para aprimorar a separação, tenha também uma lixeira específica para reciclagem, com nichos para cada tipo de lixo: papel, vidro, plástico e metal;

3 – Crie o hábito de lavar e secar bem as embalagens tetrapack após o uso e dobrá-las sempre que possível para não fazer volume;

4 – Lave e seque as embalagens de lata, alumínio, PET, plástico e vidro para evitar ratos, baratas e outros tipos de insetos;

5 – Diminua o tamanho das garrafas PET e de latinhas, amassando-as com as mãos ou pisando em cima delas. No caso da garrafa, depois feche a tampa. Com as latinhas, use amassadores para facilitar;

6 – Separe os papéis, rasgue-os em pedaços ou empilhe as folhas em vez de amassá-las. Papel amassado ocupa mais espaço, dá mais trabalho e encarece o transporte;

7 – Se o condomínio ou residência não tiver o serviço de coleta seletiva, vá guardando tudo em caixas separadas e depois leve o material até um posto mais próximo. Existem vários sites com endereços;

Atenção: Incentive o síndico ou os moradores do bairro a construir coletores para separar, pelo menos, os materiais secos dos orgânicos. Rapidamente, catadores da região enxergarão essa oportunidade. Os resíduos são fonte de renda para muitas pessoas. Um pequeno esforço tornará toda a comunidade em aliados do meio ambiente. 

Fonte: Delas – iG @ https://delas.ig.com.br/casa/servicos/aprenda-como-reciclar-o-lixo-da-sua-casa/n1237508112335.html

6 maneiras de aplicar o consumo consciente e tornar sua vida mais sustentável

6 maneiras de aplicar o consumo consciente e tornar sua vida mais sustentável



Confira as principais dicas do mundo da sustentabilidade para tornar suas escolhas mais sustentáveis, substituir hábitos e fazer da Terra um lugar melhor através do consumo consciente, sem complicação. 🙂

A consciência ambiental vem crescendo, afirma um estudo publicado pela Akatu em 2018, cada vez mais estamos nos atentando aos impactos que nossas ações causam no meio ambiente, e o melhor, passamos a entender o poder que o consumo consciente pode exercer sobre os impactos ambientais no planeta.

Porque ser mais consciente

Os indícios do impacto ambiental nos alertam para a necessidade de uma vida consciente ambientalmente.

Estima-se, segundo publicação da Revista Science, que foram produzidos no mundo, mais de 8,3 bilhões de toneladas de plástico e deste número, 60% do que foi produzido, virou lixo e passou a ocupar aterros e lixões.

Assusta, e não é pra pouco: a ONU avalia que em 2050 existirão mais plástico do que peixes no planeta. Tal cenário impacta, não apenas a vida de outros seres vivos, mas também a vida e interesses de nós, seres humanos.

Dos estudos com resultados alarmantes, realizados no último século, verificamos ainda, uma tendência crescente na geração de resíduos, causada pelo crescimento populacional que em menos de 100 anos, conseguiu passar de 2,5 bilhões de pessoas para 7,6 bilhões de pessoas. Não parando por aí, visto que o desenvolvimento econômico adjunto, traz como marca a larga escala de produção.

É com esse cenário que nos deparamos atualmente e é ele que utilizamos para propor ações, que podem mudar totalmente o horizonte, como as dicas abaixo, confira:

1.Utilize ecobags

Primeiro passo: utilize ecobags. É com ela que você poderá deixar as sacolinhas plásticas de lado e garantir compras mais sustentáveis, afinal, estará evitando escolher algo que leva mais de 300 anos para se decompor.

Agora, se você utilizava as sacolas plásticas do mercado, para jogar o lixo da sua casa (gerando mais lixo), relaxa que pensamos em algumas soluções criativas, como por exemplo, utilizar caixas de papelão, optar por sacolas compostáveis ou outras dicas que você pode conferir neste artigo, que explica todo o impacto das sacolinhas e formas de substituí-la.

2.Substitua canudos e descartáveis

Os canudos se tornaram verdadeiros vilões nos últimos tempo. Isso graças a pouca valorização da sua reciclagem, como aborda o artigo do link. Sabemos que entender quando um produto é reciclável e reciclado de fato, é um pouco difícil, aqui no Reciclagem sem escândalo tentamos mostrar informações que facilitem a identificação dos materiais, para compras mais sustentáveis.

A melhor ação mesmo, é substituir todos objetos/materiais descartáveis por reutilizáveis e optar por restaurantes, lanchonetes e lojas que ofereçam opções reutilizáveis.

Além de optar por locais conscientes, busque levar para suas saídas, seu próprio canudo e copo reutilizável, assim você terá ainda mais autonomia no seu consumo consciente.

3. Busque por selos de sustentabilidade

Chegou no mercado e não sabe qual produto terá um menor impacto negativo ambiental? Uma maneira prática de realizar comparações é verificar a existência de selos de sustentabilidade. Eles apontam um conjunto de práticas realizadas e apoiadas pela empresa em questão.

Exemplos disso é o selo Empresa B, que indica práticas de impacto positivo social e ambiental e o  selo eureciclo, de compensação ambiental das embalagens, que indica a responsabilização da marca pelos resíduos gerados. Além destes, temos outros selos de sustentabilidade que indicam produtos cruelty free, veganos, e etc.

Deta forma fica fácil verificar as ações e testar produtos que buscam alternativas para melhorar o meio em que vivem.

4. Opte por produtos de limpeza naturais

Na hora de realizar suas compras, além do cuidado com todas as embalagens geradas, um outro tipo de resíduo maléfico para o meio ambiente, são os originários de produtos de limpeza.

Com composição química, muitas vezes tóxicas para os seres vivos e altamente contaminante, tais produtos acabam afetando todo nosso ecossistema ao serem jogados fora e caírem em esgotos sem tratamento.

Soluções de bicarbonato de sódio, limão e sabão neutro substituem muito bem os produtos que possuem uma infinidade de compostos tóxicos. Aqui separamos dicas incríveis para a substituição. No final suas compras saem muito mais baratas e o meio ambiente agradece. 🙂

5. Ofereça uma vida sustentável para seu pet

Quem disse que o consumo consciente deve se resumir unicamente a nós humanos?  Claro que não, seu bichinho de estimação, seja ele um dog, tartaruga ou pássaro, pode consumir produtos de menor impacto ambiental.

Como fazer isso?

  • Escolha marcas conscientes, de produtos para pets, como por exemplo a Dr. StanleyPet Chefe a La Pet Cuisine;
  • Recolha o coco do seu pet sem utilizar sacolas plásticas, veja aqui possíveis substituições e dicas;
  • E confira outras dicas de sustentabilidade para seu pet neste link.

6. Descarte corretamente

Agora chegamos a um dos momentos críticos, o descarte correto dos resíduos, afinal o ciclo de vida do produto não acaba ao terminarmos de consumi-lo.

O consumo consciente vai além: se descartado corretamente, o resíduo é direcionado à cooperativas que realizam a devida triagem de materiais e mandam os recicláveis para as recicladoras finais. Quer saber como a cadeia da reciclagem funciona? Nós contamos melhor, aqui.

E o momento é crítico, pois entender quais materiais são recicláveis ou não, é algo bem complicado para quem não está diretamente ligado a essa cadeia.  No geral, as informações por aí não são muitas, ou são confusas.

Dica: Tente separar os secos dos orgânicos e direcionar os secos para a coleta seletiva da sua cidade, se não tiver, ou você não souber os horários, entre em contato com a prefeitura. Seguimos uma máxima de que, na dúvida, envie para coleta seletiva, pois normalmente encaminham para cooperativas realizarem a triagem. Ah, e tome cuidado com vidros e objetos contaminantes, eles podem afetar a vida de cooperados. Neste artigo oferecemos dicas de como descartar alguns materiais específicos, como remédios, óleo e esmalte.

Conclusão

A maior mudança ocorre nos nossos hábitos. É normal que no momento tudo seja baseado no consumismo extremo. Exerça sua liberdade e pensamento crítico para optar por escolhas saudáveis para você, para as pessoas a sua volta e para o planeta.

São nas pequenas ações que podemos lançar novas perspectivas sobre o futuro e ajudar no desenvolvimento de uma sociedade mais sustentável.

fonte:
http://reciclagemsemescandalo.com.br/2018/09/6-maneiras-de-aplicar-o-consumo-consciente/

Limpar a casa pode ser uma experiência sustentável e econômica

Limpar a casa pode ser uma experiência sustentável e econômica

Semana Mundial do Meio Ambiente convida as pessoas a refletirem sobre seus hábitos de consumo e o impacto que estes causam no mundo.

Limpar a casa pode ser uma experiência sustentável e econômica

Semana Mundial do Meio Ambiente está em pauta e convida as pessoas a refletirem sobre seus hábitos e o impacto que estes causam no mundo. Que tipo de planeta você está construindo? Será que você contribui para a redução do lixo, da poluição do solopoluição da água e do ar? Você pratica o consumo consciente e opta por produtos biodegradáveis, por exemplo?

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), um dos maiores desafios ambientais da atualidade é a poluição plástica, que representa 8 milhões de toneladas nos oceanos todos os anos. As estatísticas apontam um cenário terrível: haverá mais plástico do que peixes até 2050.

Outro ponto importantíssimo é preservação da água, recurso fundamental para a saúde de todos os seres vivos e para a manutenção da vida no planeta. “Mais de 80% das águas residuais geradas por atividades do homem — incluindo o esgoto caseiro — são despejadas no meio ambiente sem ser tratadas ou reutilizadas”, ainda segundo a organização. Até 2050, a demanda pelo recurso poderá crescer até 30%.

Poluição plásticas nos oceanos é um dos maiores desafios ambientais da atualidade — Foto: Pixabay/Divulgação

Poluição plásticas nos oceanos é um dos maiores desafios ambientais da atualidade — Foto: Pixabay/Divulgação

Para preservar o planeta, no entanto, não são necessários grandes gestos. Você pode colaborar mudando o espaço onde vive, começando por dentro de casa. Os produtos de limpeza que você usa, por exemplo, podem ser grandes vilões do meio ambiente, pois possuem em sua composição derivados de petróleo e fosfatos.

Produtos à base de fosfatos são considerados os mais tóxicos para a natureza. Os componentes formam uma espuma branca que diminui o oxigênio na água. A água deixa de ser potável, ou seja, adequada para o consumo do ser humano. Quanto mais produtos você usa, mais produtos vão para o esgoto e podem acabar em rios e lagos, já que 27% da população não possui coleta e nem tratamento do esgoto (Atlas Esgotos).

Produtos vão para o esgoto e podem acabar em rios e lagos — Foto: Pixabay/Divulgação

Produtos vão para o esgoto e podem acabar em rios e lagos — Foto: Pixabay/Divulgação

O que podemos fazer?

Diante do cenário, cada um pode fazer a sua parte optando, por exemplo, por produtos que são amigos do planeta, os chamados produtos biodegradáveis, aqueles que se decompõem com maior facilidade na natureza, evitando a contaminação do meio ambiente e reduzindo o acúmulo de lixo.

É o caso do um UM®, um produto inovador no mercado da limpeza, capaz de substituir pelo menos 20 produtos de limpeza convencionais, apenas mudando sua diluição. UM® é Smartclean,ou seja, possui UltraMoléculas que agem somente na sujeira. Seu propósito é ser o único do lar e causar menos impacto no meio ambiente.

UM® é um produto Smartclean que pode substituir pelo menos 20 produtos convencionais — Foto: Divulgação

UM® é um produto Smartclean que pode substituir pelo menos 20 produtos convencionais — Foto: Divulgação

Ao substituir diversos produtos, UM® reduz até 90% do lixo doméstico gerado por esses materiais. São pelo menos 20 embalagens plásticas a menos, o que significa economia doméstica e economia de água! Para se ter uma ideia, para produzir um quilo de plástico são consumidos 182 litros de água. Quando você consome apenas um produto ao invés de 20, está impactando muito menos o ambiente!

Do processo de fabricação do UM® ao uso em sua casa, tudo é otimizado para economizar e evitar a poluição da água. Os frascos e caixas do UM® são fabricados com 85% de material reciclado. Limpeza sustentável de verdade!

fonte:
https://g1.globo.com/sp/itapetininga-regiao/especial-publicitario/um/troque-todos-por-um/noticia/limpar-a-casa-pode-ser-uma-experiencia-sustentavel-e-economica.ghtml